top of page

Show de estreia do novo álbum emocionou público na Sala Cult

As mais de 80 pessoas que foram assistir ao espetáculo da Genomma viram uma apresentação cheia de efeitos, emoção e homenagens >>>


Na último domingo (29), a Genomma fez um show de estreia do seu mais recente álbum "Como Reverter a Entropia do Universo" em Jundiaí, para mais de 80 pessoas que lotaram na Sala Cult, no Shopping Paineiras. A apresentação contou com telão, efeitos especiais e homenagens.


Foram exatos um ano, quatro meses e três dias longe dos palcos e o retorno para uma apresentação presencial pedia por algo especial. E foi o que a Genomma deu para o público presente: um show emocionante e cheio de questionamentos sobre saúde mental. "Nossa responsabilidade era muito grande, pois além de ser o show de retorno depois de tanto tempo, seria a estreia do nosso segundo disco", disse Felipe Schadt, vocalista e compositor. "E acho que conseguimos dar para as pessoas aquilo que nos propusermos a entregar: uma viagem para dentro de si", finaliza.


Todo o espetáculo foi feito de maneira independente. A banda alugou o espaço, utilizou da própria aparelhagem para o som, criou os elementos do cenário e se dedicou em todos os detalhes, como folders sobre o show, brindes, loja e venda de ingressos. "Contamos com a ajuda de amigos e familiares que fizeram questão de nos dar uma força e tanto", comentou o vocalista.


A equipe formada por Lucas Oliveira, Alec Salgado e Gustavo Bittencourt, ficou responsável pelas fotos e vídeos do show. Carol Brotto ficou no controle dos vídeos que apareciam no telão, enquanto Ana Paula Camargo administrou a loja que vendia camisetas e outros produtos da banda. Além disso, Diego Carminatti, Isabela Taliba, Tainan Franco, Rafael Testa e Leandro Soares Silva, completaram a equipe que ajudou no show que teve o apoio da Gráfica Rápida Max, da Flecha Filmes e da Mov8 Produções.


"O show foi especial em todos os sentidos, mas principalmente por estarmos de gente que lotaram um lugar só para nos dar apoio e amor. Foi mágico", finaliza Felipe Schadt.


O Show


As 15h30, o público já começava a chegar na porta da Sala Cult, dentro do Shopping Paineiras. Dentro da sala, a banda fazia os últimos ajustes no palco e na iluminação. Tudo estava pronto para a reestreia presencial da Genomma. Assim que as pessoas entravam, ganhavam um folder com informações sobre o espetáculo e um botton, brinde característico para quem vai aos shows da banda.


As 16h10 as luzes se apagaram e o telão preencheu a escuridão com a primeira grande mensagem da noite: a faixa "A última resposta", poema declamado por Felipe Schadt que encerra o álbum, mas que foi escolhido para abrir o show. Nele, a compreensão de que é possível reverter a entropia do universo, uma analogia à depressão que, com ajuda e tratamento, pode ser controlada.


Assim que as imagens e o poema terminaram, Thiago Foratori entrou com seu contrabaixo e entoou os acordes da música instrumental "Aurora", pavimentando o caminho para a entrada de Jeckson Fernandes e Fabi Bracco para o início avassalador de "Metade do Céu".


Foi quando o primeiro single do novo álbum ganhou volume na sala, que Felipe Schadt apareceu, inflando a plateia que respondeu com gritos e aplausos a entrada completa da banda. O show tinha começado.


Após toda a euforia da primeira música. Felipe se encaminhou para o teclado e agradeceu a presença de público. Na sequência, foi a hora de trazer de vez a reflexão sobre a depressão (tema central do recente trabalho da banda). "Essa música serve para refletirmos sobre o pior estágio da doença, a melancolia e que muitas pessoas, infelizmente, caem nela e não conseguem se levantar", foi o que disse Felipe antes de iniciar os acordes melancólicos de "A Terra Sob Mim (Eu Sei)".


Com um ritmo tranquilo, a música foi ganhando corpo aos poucos com a entrada dos outros instrumentos, até chegar na explosão do solo do Jeckson. Depois disso, foi nova calmaria até o fim da canção que culminou com o momento mais emocionante do show: uma homenagem a Cibele Schadt (prima do vocalista) que cometeu suicídio há 10 anos.


"Foi difícil não chorar, mas sei que muita gente chorou. Foi o que mais ouvi depois do show das pessoas que assistiram", comenta Felipe Schadt que após ouvir a plateia aplaudindo com respeito a homenagem, deu início a música seguinte, "Mar Aberto" que também tem traços tristes mas com um pouco mais de esperança de que a cura é possível.


O show teve seu ponto de virada assim que "Mar Aberto" deu espaço para "Fogo e Não Fagulha", hit da banda com mais de 13 mil plays só no Spotify. A música foi ganhando ritmo e peso logo na sua introdução e se encheu de energia. A Sala Cult havia voltado a gritar.


Enquanto a música rolava e a plateia interagia com palmas, Felipe jogou um balão para o público que o jogava para cima até que, voltou para o palco. Munido do seu botton, o vocalista espetão o balão e de dentro dele, papeis amarelos picados saíram voando sobre sua cabeça. A música teve um poder intenso sobre os presentes que não pouparam aplausos e gritos de excitação. Era o fim do primeiro ato do show.


Então foi a vez de "EUniverso" chamar o público para embarcar em uma nova viagem que culminaria em uma música do primeiro álbum da Genomma, "Munique". A canção terminou com um solo de Felipe cantando um trecho de "Giz", da Legião Urbana e com uma harmonia poderosa no retorno dos outros instrumentos com um solo Thiago Foratori no baixo.


"Quero dedicar essa próxima música aos meus alunos e alunas que vieram aqui hoje", disse Felipe que ouviu um sonoro grito vindo do meio da plateia. "E não vai valer nota isso, tá?", brincou o vocalista que também é professor. Assim se iniciava "Corpo", balada do álbum que fez as mais de 80 pessoas cantarem o refrão pegajoso. "Agora só eu e vocês", pediu o vocalista enquanto tocava o violão para a plateia cantar.


Foi o momento perfeito para fazer a segunda homenagem da tarde. Uma das maiores influências da Genomma, o Coldplay foi lembrado e "Yellow", um dos hits da banda inglesa, foi a música da vez do show.


Enquanto a galera aplaudia no final da música, Fabi Bracco entoou o início frenético de "Alma". Com fúria e elegância, a baterista da Genomma segurou o ritmo até a entrada de toda banda. A música teve seu ponto alto quando ela parou para que Felipe desse a seguinte mensagem "Eu sou o melhor de mim, meu universo não tem fim". O público repetiu em coro e a música retornou mais uma vez cheia de bateria.


Assim que ela terminou, o físico Stephen Hawking deixou uma mensagem para o público enquanto imagens do planeta Terra vista do espaço apareciam no telão. A mensagem era que deveríamos olhar para nós como uma unidade, afinal, moramos no mesmo lugar e se quisemos que esse lugar seja melhor, precisamos todos mudar o mundo. Foi então que "Prisioneiro de Mim", encerrou o show, com o maior lema da banda, #MudarOMundo.





Commentaires


Faixa.png
bottom of page